Evidência da Metamorfose

Abriu uma porta vermelha, velha e descascada pelo tempo. Lá dentro tocava, ao fundo, o clássico “Metamorfose Ambulante”, na voz serena e racional de Zé Ramalho, mixado com o tilintar brega de pedrinhas de plástico colorido da cortina que antevia a sala principal. Viu uma mesa central com apenas duas cadeiras de carvalho; a luz baixa não revelava muito mais do ambiente. Da semi-escuridão surgiu uma senhora de cabelos loiros desbotados, dentro de um vestido longo com os braços gordos de fora. “Oi, posso ajudar?”. Atrás da bela carapuça, um terno com gravata italianos da melhor qualidade, havia um sujeito incrédulo, de mal feitio. Nos seus cinquenta e poucos anos de vida, havia escrito dramas terríveis com a ex-esposa e os filhos, com os três ex-sócios e, se é possível dizer, com os ex-amigos. Nos tempos áureos, seria impossível vê-lo entrar num lugar assim, tão místico. Mas a solidão, muitas vezes nos tranforma em seres menos egoístas, menos estúpidos e céticos. E, hoje, ele havia mudado algo… “Bom, eu não sei muito bem porque estou aqui… eh… queria saber sobre o futuro, porque…”. Não era fácil para ele abrir francamente suas dores. Por isso, a experiente cartomante completou a frase com tranquilidade “…ah, sim, você quer ler seu futuro… vamos lá, sente-se aqui por favor”. Atordoado com pensamentos confusos, o homem apenas se acomodou. Bem diferente do ditador que havia sido, olhou humildemente para a mulher e sentiu confiança no seu vigor espiritual. “Antes de começar, preciso te dizer uma coisa importante…”, exclamou a vidente com o maço de cartas na mão. “Não faço previsões para esta vida, somente para a próxima, tudo bem?”. Instantes de silêncio. “Como assim não faz?”, perguntou o homem. Seu tom de voz já era bem diferente do início. “Eu preciso saber o que será da minha vida agora! Não suporto mais essa situação, esse peso nas minhas costas!”. Sua resposta áspera denotava o desespero que vivia, porém tornava cristalina a sua personalidade cruel. Ele havia resolvido fazer essa consulta de supetão, depois de ter perambulado pelas ruas por mais de doze horas sem parar. Tudo começou com uma visita ao seu médico, que solicitou exames de rotina. E, naquela manhã, havia recebido a notícia fatídica de que não teria mais de um mês de existência. Ele, aquele cara tão respeitado, tão certo de si, tão iludido pela tolice; iria sumir na imensidão. Saiu feito fera, trombou feito cego, xingou feito jegue e, depois de tanto buscar respostas, entrou na casa da cartomante. “É isso mesmo que eu disse, só para a próxima vida. O senhor precisa decidir se quer saber ou não”. Novo intervalo mental, dessa vez o cinquentão pensava como habitualmente… “Maldita videntezinha de merda! Eu sabia que não devia nem ter entrado aqui! Filha da puta, não quer dizer o meu futuro, tudo bem, tudo bem… eu vou…”. Seu pensamento foi interrompido cirurgicamente pela futuróloga… “É importante também saber que tudo o que eu direi a você será esquecido na próxima vida, o que, a princípio, pode ser entendido como pouco útil. Mas se o senhor prestar bem atenção, não o é”. A ira aumentou… “O que ela está dizendo? A desgraçada ainda quer roubar o meu dinheiro? Quer esfolar a minha alma sem dizer nada de útil? Ah, ela vai ver uma coisa…”. Não deu tempo de reagir, a vidente continuou o raciocínio… “Não, caro senhor, não desejo furtar o seu dinheiro, ganho com tanto esmero por falcatruas…”. De repente, ele percebeu o que estava acontecendo. A mulher não dizia, mas escutava tudo o que ele pensava. “…apenas estou lhe dizendo que será importante para sua próxima vida, ficar ciente de algumas coisas”. Então, o bicho explodiu. Seus olhos se encheram de ódio. Levantou-se empurrando a cadeira para o chão e com o dedo em riste, rosnou: “Ok, então, diga logo! Como será a minha vida fudida futura, já que não tenho nem mais um mês nesta?! Desembucha, fala porra!”. Calma e com um sorriso angelical no rosto, ela finalizou suavemente… “Se estiver com essa raiva toda, será infernal. Se for indiferente e arrogante, será uma existência inútil. Mas se você aceitar sua metamorfose com tranquilidade, ela poderá ser bela e ter algum amor verdadeiro. Depende só de você, neste instante, criar sua própria vida. Pois, você não se lembra, mas já está morto.

©A ser publicado na próxima edição do jornal O Local. Vale uma indicação de leitura, para quem ainda não conhece, “A Metamorfose” de Franz Kafka, além da música citada no texto, “Metamorfose Ambulante” de Raul Seixas. Que todos os seres possam se beneficiar.

Anúncios

9 thoughts on “Evidência da Metamorfose

  1. Boa, Clarisa. Sua colocação abre espaço para explicar o motivo pelo qual escrevi esse conto. É verdade, nossas metamorfoses nos dão medo, nos deixam inseguros e provocam um sentimento de tristeza. Porém, se avaliarmos nossa natureza, de nascimento, envelhecimento e morte, não nos resta outra opção se não aceitar que esse momento irá chegar e nos preparar para a mudança. Ter medo é um bom sinal, significa que nossa mente está atenta ao fato. Porém, fica a pergunta: como podemos nos preparar? Quando essa questão surge, nossa vida sofre outra metamorfose. 😉

  2. Clarisa, não poderia afirmar que estou a trabalhar nisso. Poderia dar uma idéia de morbidez que não é verdade. Esse assunto é realmente delicado, pois mexe com toda nossa estrutura de crenças habituais. Diria, na minha visão limitada, que a preparação é mais uma valorização da vida, de instante a instante, do que uma preparação de um momento futuro, como se fosse um evento importante. De fato, esse dia é importante e irá chegar; mas como nos sentiríamos se ele chegasse sem que tivéssemos aproveitado cada minuto da vida? Uma metáfora que passou pela cabeça agora é a de um fruto maduro, que cai da árvore porque está pronto e não porque foi arrancado verde. Seu sabor é muito mais doce.

  3. Vejo um exemplo claro na vida de evangélicos, quando se aceita a o que foi pregado, logo vem a simbologia do batismo, que tem como significado morrer para o mundo e nascer pra uma nova vida.

  4. Viva, Pidão. Curti o exemplo! Curioso também as palavras que utilizou… pregar tem um sentido complexo, se por um lado pode parecer um ato de aprisionamento, por outro é justamente o oposto; uma ação de libertação. Entendo também que a todo instante somos estimulados a nos modificar, mas nossa capacidade de “pegar a onda” que é limitada. E neste caso, ficamos sim pregados, estagnados, numa percepção reduzida do que realmente está acontecendo a nossa volta. Essa inércia e falta de visão parece ser a base do sofrimento. O conto acima pode estar acontecendo agora, mesmo que não tenhamos consciência. Valeu pela participação, meu caro. Abs!

  5. Dando um “pitaco” na pergunta da Clarisa, tem situações que não temos chances pra uma preparação, e só percebemos a mudança depois do ocorrido, ano passado vivi um momento ruim com uma doença de minha mãe, me concentrei muito em estar pronto para o pior, como graças a Deus tudo ficou bem me veio uma nitida vontade de estrapolar, recuperar o tempo perdido de uma só vez, hoje é muito nítida a mudança que vivi, porem não sei dizer se é bom ou ruim amadurecer tanto em tão pouco tempo, hoje me sinto mais estranho que amadurecido na verdade.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s