Ciência da Paz

Faz um mês que não escrevo no blog. Por um lado, não tive tempo de sentar calmamente e contar a vocês todas as grandes experiências que tenho vivenciado. Por outro, não importa tanto o tempo que demoramos para expressar verbalmente nossos bons pensamentos. Quando estamos embuídos em desenvolver a nossa mente para favorecer os todos os seres, a vida tolera qualquer tipo de suposto atraso. No fundo, ela até conspira a favor, fortalecendo as ideias e formando uma situação benéfica que eclode posteriormente com muito mais força. Permito-me dizer que este é o verdadeiro resultado da paciência. Da ciência que temos em aguardar em paz a chegada de um instante. A mente respira. Toma fôlego. E transforma-se lentamente em realização. Promova a ciência da paz dentro de si.

©Que todos os seres possam se beneficiar.

Anúncios

Respiração Espiritual

Encho o peito de ar e solto, expelindo junto com o gás carbônico algumas esperanças de descobrir a essência na vida. Sim, nossa mente também respira. Quando recebemos qualquer forma de aprendizado, geralmente retornamos ao modus operanti de outrora. Esses vícios são objetos da memória, aspectos construídos pela mente no passado, que renascem sob a forma de movimentos, falas e pensamentos baseados na ignorância. Quando perdemos a cabeça, tudo fica menos. Tudo se torna obscuro, chato, penoso e temos vontade de detonar até o mais singelo comentário feito por um colega de trabalho. Como numa guerra, aqui travada num cenário silencioso, o que devemos fazer é manter o estado de alerta usando da estratégia da sabedoria para alcançar a vitória. Abro o livro de SS, o Dalai Lama e leio o que vem a seguir: “A dificuldade de uma interpretação puramente materialista da vida é que, somada ao fato de ignorar toda uma dimensão da mente, não lida de modo eficiente com os problemas dessa vida. Uma mente materialista é uma mente instável, pois sua felicidade é construída sobre circunstâncias transitórias, físicas. A doença mental é tão alta entre os ricos quanto entre os pobres, o que é um claro indicativo das limitações dessa abordagem. Embora seja essencial manter-se uma base material razoável para viver, a ênfase na vida deve ser cultivar as causas mentais e espirituais de felicidade. A mente humana é muito poderosa e nossas necessidades mundanas não são tão grandes que devam demandar toda a nossa atenção, especialmente à luz do fato de que sucesso material resolve apenas uns poucos desafios e problemas enfrentados por homens e mulheres durante toda a vida, e não faz nada por eles na morte. Entretanto, ao se cultivar qualidades espirituais como harmonia mental, humildade, desapego, paciência, amor, compaixão, sabedoria e assim por diante, fica-se equipado com um vigor e inteligência capaz de lidar de modo eficiente com os problemas dessa vida; e, como a riqueza que se está amealhando é mental em vez de material, não terá que ser deixada para trás na morte. Não há necessidade de se entrar no estado pós-morte de mãos vazias.” Com a mente se abrindo, fecho o livro. Sinto novamente os ventos sutis preencherem o meu espírito. E recordo a frase do Buda lida páginas atrás: “Aquele que teme quando não há motivo para temer é um tolo. Aquele que não teme quando há motivo para temer é um tolo. Ambos saem do caminho.” É difícil se deparar com a própria tolice. Mais tolo que isso é aceitar a instabilidade mental. Nosso esforço para sair de estados mentais ilusórios deve ser igual ou superior ao nosso desejo de respirar após o parto. Lembre-se disso quando necessário!

©O livro citado tem o título “O Caminho para a Iluminação”, de SS, o Dalai Lama. Que todos os seres possam se beneficiar.