A resposta do Sábio

Enquanto esperava a patrulha policial passou por mim um homem. Andarilho de profissão, nem notou a minha presença sentado na encruzilhada. Confiante na força do universo, chamei-o com rapidez: “Senhor, por favor, gostaria de pedir uma opinião”. Para minha surpresa ele não se espantou. Apenas parou na minha frente e acenou com a cabeça, enquanto continuei com a questão. “Estava vindo por essa estrada, muito bela por sinal, e vi esse caminho que me deixou intrigado. Porém, desde a hora que parei, até agora, não sei qual dos dois caminhos seguir. Você conhece essa pequena trilha? Sabe onde vai dar?”. Serenamente, ele fitou meus olhos com precisão e disse: “Não, nunca trilhei esse caminho. Mas posso lhe dizer onde dará. Se por esta grande via, de riqueza e alegria, irás encontrar o que sempre experimentou na vida, pela estreita também encontrarás o mesmo. Lá não há asfalto no chão, mas ainda há chão. Não tem palácios astronômicos, mas há o abrigo que o protegerá do sol e da chuva. Não há banquetes, mas há frutos até mais saborosos, pois os vai encontrar ainda puros, no pé”. Terminou e ameaçou partir, mas o impedi novamente com outra dúvida: “Sim, entendo, mas acho que ainda não tenho uma resposta clara. Tudo isso é verdade, porém…”. Desta vez foi ele quem interferiu na minha fala, de forma abrupta, confesso. E, mais claro do que nunca exclamou: “Tudo isso NÃO é verdade! O que busca, tanto num caminho, como no outro, não poderá ser alcançado. Porque os dois são ilusórios.”

©Este post é uma sequencia do anterior. Agradeço ao universo por trazer a minha mente-coração as respostas que elucidam o caminho. E desejo que elas possam iluminar o caminho de todos os seres.

One Note Samba

Não foi hoje, mas adorei a surpresa de receber na caixa do gmail a música “O Samba da Minha Terra”, gravado pela encantadora voz da portuguesa Teresa Salgueiro. Fato que me fez recordar não só as incríveis letras do samba, como “O Samba Taí”, do álbum “Samba Esporte Fino” do Seu Jorge ou o “Jovem Samba” de outro Jorge, o Ben Jor, num clássico para poucos. Mas falar de brasileiros cantando samba é fácil. E ouvir a Teresa, com um sotaque sutil, me fez viajar no samba assinado por gringos que admiram nossas origens. Ah que delícia é curtir, por exemplo, “Só Danço Samba” na voz de Ella Fitzgerald, ou “La Chica de Ipanema” no espanhol de Jarabe de Palo, ou até, in english, “One Note Samba”, mixado com um smoothjazz pela incrível dupla canadense Bet.e & Stef. Não vou colocar os links. Quem quiser uma supresa pelo e-mail é só deixar uma mensagem.

®Resposta a um e-mail que não pedia resposta. 😉